Rádio Web do gaguinho

WWW.RADIALISTAGAGUINHO.COM.BR

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

SÃO FELIPE-BAHIA: ENFORCAMENTO


Um homem identificado como Adriano Mota Moraes, de 31 anos, foi encontrado morto neste domingo (25/12), na Ladeira do Jenipapo, . O local fica próximo à sede do município de São Felipe, situado no recôncavo baiano a 178 km de Salvador.  De acordo com informações apurada , Adriano foi encontrado populares enforcado em um pé de Caju. As motivações que levaram Adriano a cometer suicídio não foram informadas. O corpo de Adriano foi removido no final da tarde pela Policia Técnica e encaminhado para ao IML de Santo Antônio de Jesus para seja feita a necropsia.
O índice de suicídio em São Felipe nos últimos anos, comparado a outras cidades com mesmo numero de habitante, é considerado alto. Um relatório da OMS de 2014 aponta o Brasil como 8º pais com mais numero de suicídio no mundo.
O relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde, a OMS, chama a atenção de governos para o suicídio, considerada “um grande problema de saúde pública” que não é tratado e prevenido de maneira eficaz. Em 2012, foram registradas 11.821 mortes, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres (taxa de 6,0 para cada grupo de 100 mil habitantes). Apenas 28 países do mundo possuem planos estratégicos de prevenção.
Para a OMS, o tabu em torno deste tipo de morte impede que famílias e governos abordem a questão abertamente e de forma eficaz. “Aumentar a conscientização e quebrar o tabu é uma das chaves para alguns países progredirem na luta contra esse tipo de morte”, diz o relatório.
O estudo da OMS aponta que os homens cometem mais suicídio que as mulheres. Nos países ricos, a taxa de mortalidade de pessoas do sexo masculino é três vezes maior que a de óbitos envolvendo o sexo feminino.
Sobre as causas, o relatório afirma que em países desenvolvidos a prática tem relação com desordens mentais provocadas especialmente por abuso de álcool e depressão. Já nos países mais pobres, as principais causas das mortes são a pressão e o estresse por problemas socioeconômicos. Os serviços de saúde têm que incorporar a prevenção como componente central. (JC Reporter)