Rádio Web do gaguinho

WWW.RADIALISTAGAGUINHO.COM.BR

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

GOVERNADOR MANGABEIRA -BAHIA: POLÍCIA FEDERAL CERCA CASA DA PREFEITA E A PREFEITURA PARA CUMPRIR MANDADOS DE BUSCA E APREENSÃO












A população acordou e não acreditou no que estava acontecendo, já que dizia que o roubo dos 500 mil não dava em nada e que a Policia Federal nunca aparecia na cidade
A Polícia Federal na Bahia deflagrou na manhã desta quinta-feira (8) a “Operação Cabeças”, que apura a suspeita de desvios de verbas de R$ 500 mil das contas do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) na prefeitura de Governador Mangabeira, no Recôncavo Baiano.

Foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Ninguém foi preso. Os desvios teriam acontecido na atual gestão, da prefeita Domingas da Paixão. Segundo a investigação, o valor desviado foi pago a uma empresa do ramo de construções em Alagoinhas.

Com as buscas desta quinta, a PF pretende apurar o envolvimento de uma organização criminosa composta por dez empresas. A polícia também investiga diversas irregularidades em recursos federais destinados à saúde e à educação, apontados por órgãos como o Tribunal de Contas dos Municípios na Bahia (TCM-BA), desde 2009.

A polícia informou ainda que são convocadas 40 pessoas em sete cidades baianas: Governador Mangabeira, Salvador, Alagoinhas, Cruz das AlmasSanto Antônio de Jesus,Maragogipe e Feira de Santana. A operação contou com o efetivo de 71 policiais federais. Os envolvidos responderão por crimes de desvio de verbas públicas, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Conforme a PF, a operação recebeu o nome de “Cabeças” porque, segundo a história descrita no site da prefeitura, foi o nome como era conhecida a localidade onde está estabelecido o município de Governador Mangabeira.

O Fundeb é um fundo especial, de âmbito estadual, formado por recursos provenientes dos impostos e transferências dos estados, Distrito Federal e municípios, vinculados à educação. Todo o recurso gerado é redistribuído para aplicação exclusiva na educação básica.

O G1 tentou entrar em contato com a prefeitura por telefone, mas as ligações não foram atendidas.